Culturas Populares & Indústrias Criativas

respigos da mailing-list a propósito do tema 'culturas populares e indústrias criativas'

>
No Porto, a Incubadora INSERRALVES (http://www.serralves.pt/gca/?id=3069) tem estes projectos particularmente interessantes: http://www.bichosetecabecas.pt/ & http://www.mariadeponte.pt/
 & 
>
Num registo um pouco diferente julgo que vale a pena conhecer o trabalho de uma designer portuguesa que tem trabalhado de forma particularmente interessante o artesanato. O seu nome é Joana Vasconcelos (http://www.joanavasconcelos.com/).
>
Curiosamente o tema tem despertado interesse do outro lado do mundo, em Timor, onde o governo está a desenvolver o projecto 'Creative Industries Development & Timor-Leste project' (http://timorlorosaenacaodiario.blogspot.com/2011/03/escola-de-artes-tradicionais-e.html & http://www.cultura.gov.tl/pt/agenda/a-nota-de-imprensa).
>
O projecto das Aldeias do Xisto http://www.aldeiasdoxisto.pt/ tem uma componente interessante de reabilitação de actividades artesanais e cruzamento com novas práticas, nomeadamente através do envolvimento de estudantes e designers e no cruzamento com a criação artística contemporânea, articulada com a acção d'A Moagem, Cidade do Engenho e das Artes, no Fundão http://www.amoagem.com.pt/ .
 
Trabalhos como este, que se definem a uma escala inter-municipal e assumem o desafio de combater a desertificação do interior do país, procurando formas de rentabilizar e adicionar valor a actividades locais— da tecelagem à apicultura, passando pelas técnicas de construção tradicionais— que, em alguns casos, estavam a cair em desuso, são muito importantes.
Especialmente por promoverem novos modelos de participação das comunidades.
>
Outro exemplo, que conheço pior, neste aspecto concreto, encontra-se em Guimarães, onde A Oficina http://www.aoficina.pt , cooperativa responsável pela gestão do Centro Cultural Vila Flor e, em grande parte, executora das políticas públicas de cultura, a nível local, se afirma também como centro de artes e mesteres tradicionais, sendo responsável pela certificação dos Bordados de Guimarães e promovendo actividades artesanais permanentes, por exemplo.


Projectos deste tipo, que promovem a "cultura popular" e actividades artesanais no seu contexto, acrescentando-lhes valor e contribuindo simultaneamente para a afirmação da identidade e para a coesão social e económica e para uma maior sustentabilidade dos "locais", parecem-me mais pertinentes e com maior impacto do que as diversas abordagens aos "artesanatos urbanos", que terão também o seu interesse e importância.
>
Reframing tradition is an important theme, vital to establishing competitive edge and of course is heavily linked to creative tourism. This project from NYC which I was introduced to by EGP in Porto is interesting as it combines notions of social enterprise with new forms of artisanal creativity. The founder is of Portuguese descent. www.ecostasy.com.
<
>
I like this too for many different reasons the main one being that it demonstrates Portugal can attract international creative talent to
live and work in its cities: http://shop.aprodukt.com/products/the-kork


>
Rosa Pomar, tanto na sua loja como no seu blogue.
 
>
>
Vida Portuguesa
>
Em países africanos (Moçambique, por ex.) encontram-se a emergir iniciativas associadas às indústrias culturais e criativas e culturas populares. Aliás, os relatórios da UNCTAD de 2008 e 2010 (Creative Economy Report), que integram uma forte perspectiva ligada aos países em desenvolvimento, incluem as expressões culturais tradicionais no conceito e subsectores das indústrias culturais e criativas: http://www.unctad.org/Templates/WebFlyer.asp?intItemID=5763&lang=1.
>
congresso SIEF
SIEF 2011: the 10th international SIEF congress

People make places - ways of feeling the world
Lisbon, 17-21 April 2011

Outras sugestões?
Envie o seu contributo para industriasculturaisecriativas@gmail.com
publicado por JCM às 13:25 | comentar | favorito