Contem-nos o futuro!

O escritor português valter hugo mãe (assim em minúsculas como ele gosta de escrever) apresentou recentemente na Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP) um belo texto sobre a sua relação com o Brasil (ver carta lida aqui http://www.flip.org.br/noticias.php?id=668), uma peça que causou um forte impacto no evento.
Nesse texto, e a propósito das 'novelas', o autor descreve os brasileiros que nos anos oitenta vinham para Portugal (e que já conheciam o final das histórias) como uma espécie de 'adivinhos... gente que via coisas do futuro, gente que viveu o futuro' e que se juntava 'a nós para reviver o passado'. Por causa disso, tornavam-se especiais e a sua opinião 'para cada decisão' era escutada com atenção.
Esta história é muito interessante porque é uma boa metáfora do que estamos a querer fazer na mailing-list ICC. De alguma forma estamos a pedir aqueles que já 'viveram futuros' que partilhem connosco alguns desses 'segredos'.
Curiosamente, o Brasil tornou-se ao longo dos tempos, e para muitos assuntos, uma espécie de 'bola de cristal' e de 'balão de ensaio' de 'futuros desejados'. No domínio das artes e da cultura, por exemplo, a já citada FLIP, organizada na cidade de Paraty (http://www.flip.org.br/), o Festival Jazz & Blues do Ceará (http://www.jazzeblues.com.br/) ou o Museu de Arte Contemporânea de Niterói (http://www.macniteroi.com.br/) são algumas referências de apostas robustas e qualificadoras do 'presente' merecedores de particular atenção e investigação (Ana Carla Fonseca tem escrito muito sobre isso http://www.garimpodesolucoes.com.br/), quer por nos revelarem aspectos de 'futuros possíveis' em momento de crise e de incerteza, quer por ousarem desenvolver-se fora dos grandes centros urbanos.
Mesmo por cá em Portugal, as experiências que Catarina Selada referiu na lista - Óbidos, Montemor-o-Novo, Tondela e Serpa - e também Paredes, Guimarães, Águeda, Sines e Santa Maria da Feira (e haverá mais, certamente), ainda que em diferentes dimensões e graus de maturidade são exemplos que vão nesse sentido, da vontade de construir um 'futuro com diferentes possibilidades' a partir de um olhar sobre o potencial da relação entre as 'artes, a cultura, a economia e o território'.
E imagino que em Espanha - Cáceres, Bilbao, Barcelona, tenham histórias muito interessantes para contar, o mesmo se passará em Buenos Aires, Medellín ou Cidade do México, só para dar alguns exemplos.
Mas imaginando a história que valter hugo contou, nós queremos saber tudo sobre essas 'novelas', todos os segredos escondidos (as personagens, o enredo, as tramas e os finais felizes), porque isso poderá ser decisivo para mudar algo na vida real, na tal vida dos 'anúncios de emprego' também referida na lista por Tela Leão.
E não importa que seja em português, em castelhano, francês ou inglês... contem-nos o futuro, por favor!
publicado por JCM às 13:30 | favorito